Humanidades Digitais: Como eles fizeram isso?

“Como eles fizeram isso?”
É com essa indagação que a Dra Miriam Posner, professora assistente da Universidade da Califórnia, descorre sobre a história e as ferramentas das Humanidades Digitais. Ela chama a atenção para a curiosidade dos humanistas em relação às habilidades técnicas, e os benefícios que essas habilidades trazem para as pesquisas das áreas das humanas.

Ao ler o texto de Posner, percebi que minha jornada dentro das Humanidades Digitais não precisava ter sido tão solitária. Desde cedo, tive interesse por desenvolver habilidades em programação e vizualição, e hoje percebo que o trabalho em comunidade é sempre mais eficiente e prazeroso. Desde-2018, participo do grupo de DH Scholarship da Trinity University em Dublin. E foi em um dos wordshops desse grupo que me deparei com este texto, Espero que vocês gostem e aprendam tanto quando eu.

Leia o posto original.

Muitos alunos me dizem que, para começar com as humanidades digitais, eles gostariam de ter uma ideia do que poderiam fazer e quais habilidades técnicas precisariam para fazê-lo.

Aqui está um conjunto de projetos de humanidades digitais que podem ajudá-los a compreender os tipos de ferramentas e tecnologias disponíveis para você usar.

Tentei incluir alguns tipos diferentes de projetos, mas é difícil fornecer uma lista realmente representativa. Se você gostaria de ver mais projetos de humanidades digitais, você pode encontrar diretórios em art-humanities.net e DHCommons.

Aqui, eu discuto:

  • uma galeria de fontes primárias
  • uma edição acadêmica digital
  • um projeto de mapeamento
  • uma visualização de rede
  • análise de texto auxiliada por computador
  • um modelo 3D histórico
  • uma narrativa longa e rica em mídia

Uma galeria de fontes primárias: Fazendo a história de 1989

O que é isso
Uma coleção de fontes primárias relacionadas com a queda do comunismo na Europa Oriental, acompanhada por materiais de ensino e ensaios interpretativos.

O que você precisa saber
Omeka.org (que forma a base do site), ou você pode usar Omeka.net se não for tão exigente quanto à aparência e ao comportamento do site
HTML e CSS (opcional; para personalizar a aparência do site)
PHP (opcional; para personalizar certas funções do site, como a forma como os itens são exibidos)

Como iniciar
Instalando e usando o Omeka.net
Instalando e usando HTML
Introdução ao PHP

Um projeto acadêmico digital: O arquivo de Willa Cather

O que é isso
Um arquivo digital cuidadosamente editado dos escritos de Willa Cather, junto com extensos ensaios acadêmicos, análises e galerias multimídia.

O que você precisa saber
TEI (a linguagem de marcação projetada para edição acadêmica)
XSLT ou um sistema de publicação XML

iniciar
TEI por exemplo

Um projeto de mapeamento: o livro verde dos viajantes negros

O que é
Um mapa pesquisável dos endereços contidos no Livro Verde do Negro Viajantes de 1956, que o usuário pode filtrar por estado ou tipo de estabelecimento.

O que você precisa saber
Google Fusion Tables
Google Maps
JavaScript (para fazer com que o mapa seja exibido corretamente)

http://en.wikipedia.org/wiki/JavaScripthttp://neatline.org/
Alternativas
Existem quase muitas tecnologias de mapeamento para listar, mas algumas ferramentas populares incluem Neatline (que você usaria junto com Omeka), GeoCommons (um aplicativo de mapeamento relativamente simples) e ArcGIS (usado para projetos de mapeamento complexos ou em grande escala). Se você quer mesmo aprender a construir mapas dinâmicos baseados na web, seria sábio aprender a linguagem do lado do cliente JavaScript (para controlar a forma como as coisas aparecem nos navegadores), uma linguagem do lado do servidor como o PHP (para interagir com dados) e a linguagem de banco de dados SQL (para gerenciar seus dados geoespaciais). Mais ferramentas de mapeamento.

Como iniciar
Aprenda como limpar e mapear dados usando o Google Maps e o Google Fusion Tables


Uma visualização em rede: uma rede de citações conjuntas para filosofia


O que é isso
Uma visualização dos autores referenciados juntos em um corpus de periódicos de filosofia.

O que você precisa saber
D3.js, uma biblioteca JavaScript para produzir visualizações na web.
A linguagem de programação Python, para manipular seus dados.
Um conjunto de dados. Este veio da Web of Science, que permite fazer download de dados de citações para artigos acadêmicos.

Alternativas

Você pode fazer visualizações de rede sem (necessariamente) codificação usando o ManyEyes baseado na web ou o Gephi ou Cytoscape gratuito. Outras ferramentas para visualização de dados.

Como iniciar
Use o Cytoscape para fazer uma visualização de rede simples
Aprenda a usar Python
Desmistificando redes

Análise de texto auxiliada por computador: modelagem de tópicos do diário de Martha Ballard

O que é isso
Uma análise de um documento histórico que usa um método estatístico denominado modelagem de tópicos para agrupar os “tópicos” encontrados em um grande conjunto de textos.

O que você precisa saber
MALLET, um pacote de software baseado em Java para análise de texto (incluindo modelagem de tópicos)
R, uma linguagem de programação para análises estatísticas e gráficos

Alternativas
A ferramenta de modelagem de tópicos fornece uma interface de usuário gráfica mais simples de usar para a modelagem de tópicos, assim como o Paper Machines (que produz modelos de tópicos de sua biblioteca Zotero). Mas a modelagem de tópicos é apenas um tipo de análise textual. Encontre um resumo dos diferentes tipos de análise de texto aqui. Freqüentemente, as pessoas que são novas em análise de texto gostam de começar com as Ferramentas Voyant baseadas na web. Também gosto da suíte Lexos. Mais ferramentas para análise de texto.

Como iniciar
Estratégias muito básicas para interpretar os resultados da Ferramenta de Modelagem de Tópico
Edição especial do Journal of Digital Humanities sobre modelagem de tópicos

Um modelo 3D histórico: Magnésia digital

O que é isso
Uma recriação cuidadosamente pesquisada da cidade helenística de Magnésia.

O que você precisa saber
Este modelo específico é criado usando o modelador procedural CityEngine.

Alternativas
A maneira mais fácil de criar modelos 3D é provavelmente com o SketchUp. Modeladores 3D sérios costumam usar Maya ou Rhino.

Como iniciar
Introdução à modelagem 3D

Uma narrativa longa e rica em mídia: as crianças mais legais da cidade

O que é isso
Um ensaio, acompanhado de fotografias, vídeo e som, que pode ser reconfigurado pelo espectador para ser lido de várias maneiras.

O que você precisa saber
Scalar, uma plataforma de autoria multimídia
CSS (opcional, para adicionar um estilo personalizado ao Scalar)
iniciar
Webinars escalares

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.